sexta-feira, 29 de junho de 2012

Afinal, eu torço é pro Coringão, quero que São Paulo se exploda

Editoriais
editoriais@uol.com.br
São Paulo apreensiva
Aumento do índice de homicídios, proliferação de arrastões em edifícios residenciais e restaurantes, assassinatos de policiais militares fora de serviço, ônibus incendiados. São Paulo, não há dúvida, vive uma onda de violência.
Declarações de autoridades do Estado confirmam o acirramento do confronto entre forças da lei e do crime. "Os criminosos serão presos. E, se enfrentarem a polícia, vão levar a pior. Essa é a ordem, e o governo não retrocede um milímetro nesse trabalho", disse o governador Geraldo Alckmin.
A afirmação ecoou as palavras mais ríspidas do deputado estadual e major da PM Olímpio Gomes (PDT-SP), em discurso na Assembleia Legislativa, no qual se dirigiu aos ex-colegas de farda: "Redobrem as cautelas, redobrem a munição. Mas, se tiver que ficar viúva, que fique a mulher do bandido".
Infelizmente, não se ouviram nos últimos dias as palavras do secretário de Segurança. Antonio Ferreira Pinto se encontrava, na companhia do filho, em viagem particular ao exterior.
Ao que se sabe, nem todas as ocorrências das últimas semanas estão conectadas. Mas é certo que está em curso uma escalada de agressões envolvendo a Polícia Militar e a facção criminosa PCC.
A origem do acirramento teria sido a morte de membros do grupo de bandidos por policiais da Rota (uma tropa de elite da PM paulista), no dia 28 de maio. Suspeitas de que uma das mortes tenha ocorrido após a prisão levaram ao afastamento de policiais. Desde então, sucedem-se casos de assassinato de PMs e outras retaliações.
Embora registre progressos notáveis na área de segurança pública na última década, o Estado de São Paulo ainda padece de graves problemas. A drástica e elogiável redução dos índices de homicídios, a patamar inferior à metade da média nacional (25 por 100 mil habitantes) não bastou para eliminar a sensação de insegurança, que cresce com os últimos episódios.
Desde a onda de ataques de 2006, aquela facção foi golpeada e perdeu força. Não foi, contudo, eliminada.
Pelo lado da polícia, ainda sobrevivem práticas condenáveis. É preciso abandonar a lógica do conflito que se nutre de mortes e vinganças. Cabe ao governo investir em tecnologia, inteligência e treinamento para elevar o índice de solução de crimes e a eficiência da ação preventiva de suas forças de segurança.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog

Follow by Email

Seguidores