quinta-feira, 10 de maio de 2012

Alerta vermelho! Aumenta o número de estupros no Rio de Janeiro e em São Paulo

Alerta vermelho! Aumenta o número de estupros no Rio de Janeiro e em São Paulo

Por Mariana Sanches

Campanha do governo do Distrito Federal pelo aumento do número de denúncias de estupro
O número de estupros cresceu em março nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo em relação ao mesmo período de 2011. Os dados acabam de ser divulgados pelas respectivas Secretarias de Segurança Pública e ficaram escondidos diante das más notícias de aumento dos homicídios e nos crimes contra o patrimônio. Mas os aumentos são significativos e preocupantes.
No Rio de Janeiro, houve 434 ocorrências de estupro em março de 2011. Já em março de 2012, foram 545, um aumento de mais de 20%.
Em São Paulo, a ocorrência do crime cresceu 18%. Passou de 919 para 1088 casos no Estado.
A explicação dada pelo estado de São Paulo é  dupla: primeiro, argumenta,  a legislação mudou, passando a considerar como estupro qualquer violência sexual, tanto contra homem como contra mulher, o que aumentaria o número de crimes sob a rubrica estupro. Segundo, as mulheres estariam agora mais dispostas a fazer denúncias este ano do que no ano passado. Logo, o que teria aumentado seriam as notificações e não a quantidade de crimes em si.
O sociólogo Túlio Kahn, ex- chefe da CAP (Coordenadoria de Análise e Planejamento) da Secretaria da Segurança Pública de São Paulo, desmonta os argumentos do governo: “A mudança na legislação foi no ano retrasado e todos os reflexos dessa mudança já se expressaram na estatística de estupro do ano passado“, diz Kahn. “E não houve qualquer campanha de estímulo à denúncia das mulheres, como ocorreu quando se criou a Delegacia da Mulher“, completa.
De acordo com Kahn, a sensação geral de insegurança pode ter sido um elemento encorajador para que mais estupros fossem cometidos. Mas é difícil explicar exatamente o que motivou o aumento (embora o comportamento da mulher ou o tamanho de sua saia estejam descartados de qualquer análise séria, obviamente). Kahn lembra ainda que os pesquisadores notaram uma característica sazonal do estupro, com tendência a ocorrer mais fortemente no 1o e no 4o trimestres do ano.
Combater os estupros é uma tarefa difícil por duas razões: a baixa quantidade de denúncias e a proximidade entre vítima e agressor.
Uma pesquisa sobre vitimização feita por Kahn, quando ele trabalhava no Ilanud, o Instituto Latinoamericano das Nações Unidas para a Prevenção de Delito e o Tratamento do Delinquente, mostra que:
- Apenas 14% das vítimas desse tipo de agressão registram o fato na polícia.
- Somente em 18% dos casos, o autor do estupro usou algum tipo de arma – o que sugere proximidade e facilidade em abordar a vítima
- 47% da vítimas tinham menos de 18 anos, o que sugere que o aggressor tinha sobre ela algum tipo de autoridade
- 35% dos casos acontece dentro da casa da vítima, e 44%, em vias públicas
-  O número de casos aumenta nos fins de semana, especialmente a partir das 18 horas.

Arquivo do blog

Follow by Email

Seguidores